• Facebook
  • Google plus
  • Twitter
  • LinkedIn

Em busca da perfeição cervejeira em Chimay 

Em 1850 um grupo de monges recebeu do príncipe de Chimay um pedaço de terra para que pudessem estabelecer seu monastério, ali surgiu a abadia de Notre Dame de Scourmont, nas proximidades da cidade de Chimay, uma localidade bucólica da Bélgica. 

As primeiras cervejas da abadia

O trabalho foi pesado para transformar um solo pobre em riquezas naturais em uma terra agriculturável. Foi em 1862 que começou a fabricação de cerveja na abadia de Scourmont. A primeira cerveja produzida foi chamada, obviamente, de La Premiére, hoje conhecida como Chimay Rouge. 

A Chimay Rouge foi uma criação do padre Theodore, quando ele recriou a cervejaria, após a Segunda Guerra Mundial. Sua inspiração foi nas receitas originais da abadia. A Rouge, de 8% de volume alcoólico, é para ser apreciada em temperatura de abadia, ou seja, entre dez e doze graus Celsius. A mais antiga das Chimays se caracteriza pela atraente coloração cobre e por uma formação boa de espuma e seu gosto frutado de Damasco.

Um pouco antes da construção da cervejaria, os monges conseguiram fazer pequenas quantidades do líquido e a cerveja em questão era facilmente digerível, além de muito leve e com um teor alcoólico baixo, cerca de 4,2%. Surgiu, então, a tradição da Chimay Gold Doreé, que persiste até hoje. A cerveja é uma das estrelas da abadia trapista, conquistando por sua leveza e refrescância. Além das duas cervejas citadas a Chimay produz as cervejas Triple, Triple au fut e Bleue.

Em busca da perfeição 

Pode parecer estranho para as pessoas que padres vivam fabricando cerveja. No caso de Chimay, também há a produção de queijo trapista. Porém, a vida monástica se coaduna com a produção de alimentos, já que esta vida deve ser dividida entre orações, estudo e trabalho.

A parte do trabalho também é importante, pois os monges devem buscar a vida sustentável produzindo seu próprio alimento, fazendo da terra sua provisão de gêneros alimentícios e também de bebidas. 

O ideal dos monges cirtercienses é chegar à perfeição na fabricação de sua cerveja e de seu queijo, buscando refletir no trabalho a busca espiritual de chegar o mais próximo de Deus possível, conservando seus ensinamentos de retidão.

Com o passar dos anos a produção gerou emprego para milhares de pessoas da região, refletindo o desenvolvimento do local. Os fundos vindos das vendas e da comercialização da marca Chimay é revertido para as pessoas menos afortunadas, constituindo uma obra de caridade.