• Facebook
  • Google plus
  • Twitter
  • LinkedIn

As músicas cervejeiras – Parte I

A cerveja é uma comprovada fonte de inspiração e já embalou o pensamento de muitas figuras importantes em seus afazeres. Na música não é diferente: é comum, em shows, os integrantes de bandas beberem o líquido precioso enquanto desenvolvem sua performance. É um famoso combustível para o rock n’ roll.

Já falamos, em nosso blog, sobre as bandas e canções que originaram cervejas especiais. Agora é hora de fazer o caminho inverso e recordar as  músicas que tiveram como temática a cerveja e seus rituais. Um brinde aos deuses da música, que é a grande companheira de uma boa degustação.

Em “Saideira”, os mineiros do Skank entoam “O comandante, capitão, tio, brother, camarada, chefia, amigão, desce mais uma rodada”… mais do que uma homenagem à cerveja. Essa balada perpetua toda a rotina de um bar, remetento perfeitamente aos nossos momentos apreciados com amigos chamando pelo garçom por mais uma cerveja. É a ode aos bares, botecos e botequins. Uma grande pedida para descontrair o ambiente.

Identificado com a cultura irlandesa e seu famoso gosto pela cerveja, o Terra Celta faz sua homenagem à bebida alcoólica mais popular do mundo em “Até o Último Gole”, que diz: “E quando as canecas se chocam, cerveja se espalha no ar. Quando as canecas entornam, o mundo começa a girar. Qualquer bêbado amigo aqui é meu irmão. Até o último gole, até cair no chão”, a irmandade entre aqueles que dividem a vontade pelo líquido sagrado é uma característica forte entre os cervejeiros. Nenhum soldado é perdido nessa luta. 

A banda carioca Matanza está longe de ser moderada e, em seu disco de 2006, A Arte do Insulto, consagrou o hino “Estamos Todos Bêbados”: “Nós estamos todos bêbados. Bêbados de cair. E todos que não estiverem bêbados. Deem o fora daqui.”, sabemos que beber menos é beber melhor. Porém, um dia de bebedeira está perdoado. Acompanhado das pessoas certas, pode virar uma grande diversão e mais uma história para contar. Afinal, nunca fizemos amigos bebendo leite! O Matanza teve sua cerveja lançada, do estilo IPA, pela Dortmund Cervejaria em 2013.

Os bons moços do Velhas Virgens já viraram cerveja especial, lançada em 2012 e criada pelo baixista da banda, Tuca Paiva. Mas, muito antes, em 1995, a banda já consagrava a cerveja ao cantar: “Eu não quero ir a festas. Eu não quero teatro. E não quero cinema também. Só quero churrasco. E cerveja na veia. E tudo isso é aqui mesmo que tem. Não adianta chamar que eu não vou. Estou no colo do rock’n’roll”, na música “Cerveja na Veia”, do álbum Foi Bom Pra Você.

 Era 1994, Chico Science e Nação Zumbi trouxeram uma bela lição para quem gosta de se perder em pensamentos e apreciar uma cerveja na música “A Praieira”, onde os pernambucanos tocavam: “Uma cerveja antes do almoço é muito bom pra ficar pensando melhor”, uma bela ideia para expandir suas ideias! Nada como uma cerveja antes de uma importante refeição para abrir os horizontes.

 Este post terá uma continuação, onde seguiremos falando sobre a combinação cerveja e música, porém na esfera internacional!